O Cardápio Indigesto do Tradutor, Matéria JB
Thread poster: L√ļcia Lopes

L√ļcia Lopes  Identity Verified
Brazil
Local time: 09:56
French to Portuguese
+ ...
Sep 19, 2003

http://jbonline.terra.com.br/index_frame.asp?jb/papel/colunas/fritz/2003/09/06/jorcolfri20030906001.html

Saiu no Jornal do Brasil [07/SET/2003]

Fritz Utzeri

O card√°pio indigesto do tradutor

Tenho o maior respeito pelos tradutores. Acho muito mais difícil traduzir
do que escrever, porque traduzir bem é reescrever, recriar a partir do
zero, sem ser literal, mas permanecendo estritamente fiel à obra. Imagino o
Antonio Houaiss tendo à frente o volume, em inglês, com o início de
Ulisses: ''Sobranceiro, fornido, Buck Mulligan vinha do alto da
escada...''. Sobranceiro! Se começasse a escrever um livro, começaria com
sobranceiro? E imaginem um alem√£o que resolvesse traduzir Guimar√£es Rosa (o
que foi feito, mas ignoro o nome do herói). Abre o Grande sertão: veredas e
a primeira palavra com que se depara é: ''Nonada''. E agora? Como é
''nonada'' em alem√£o?

O Magu, que anda sumidíssimo depois que o Flor do Lavradio entrou numa
reforma que não acaba, pensou em desistir da profissão de repórter e
suicidar-se depois que teve que explicar para o editor do Montbläat, o
jornal em que trabalha, o que vinha a ser ''subteto do Poder Judici√°rio''.
Experimentem traduzir ''subteto'' numa língua racional qualquer, como o
sueco, e vejam o que é bom para a tosse.

Para mim, ser tradutor é chegar a um patamar da intelectualidade ao qual
jamais terei acesso. √Č gente como os Marcos, o Santarrita e o de Castro, o
Leo Schlafman, a Eliane Zaguri e - por que n√£o? - simplesmente o
incompar√°vel Mill√īr. Tenho uma amiga, Kristina Michaellis, que tamb√©m se
dedica a tradu√ß√Ķes. Traduziu pacientemente as cartas de meu pai √† minha m√£e
pouco antes dele morrer, na Segunda Guerra. S√£o cartas apaixonadas, mas
onde o terror do nazismo se insinua, banalmente, nas providências que ambos
discutiam para que ela pudesse tirar um atestado de pureza racial que
permitiria o casamento de ambos, j√° que ela era italiana e ele alem√£o. (N√£o
foi possível, a morte foi mais rápida do que a burocracia totalitária e
absurda.)

Tentei traduzir uma vez e n√£o fui al√©m do primeiro cap√≠tulo. √Č um livro de
um jornalista francês, Dominique Lapierre, Muito além do amor. Meu nome
figura (imerecidamente) nos créditos como tradutor com o mesmo destaque de
Ana Maria Sarda, que fez 90% do trabalho. Traduzir é difícil (e em geral
mal pago). Vejam só o que pode acontecer quando burros informáticos
resolvem achar que traduzir é mole e bolam programas de tradução
instant√Ęneos que outros, mais burros (ou sovinas) ainda, usam.

Há alguns meses fui a Brasília e hospedei-me num dos hotéis mais finos da
cidade. À noite bateu a fome e resolvi consultar o serviço de quarto.
Comecei a ler o card√°pio, cuidadosamente impresso, e fui ficando assustado.
Onde eles teriam arranjado tal tradutor maluco? Tudo era literal. O
contrafilé, em português, virou against filet. Creme Rachel, um tipo de
sopa, foi traduzido para It cremates Rachel. ''Creme'', substantivo, virou
verbo e a ordem era pegar a pobre da Raquel e metê-la num forno até virar
cinzas. Outro prato era à base de ''nobre corte de contrafilé''. O corte da
carne era nobre, mas o ''tradutor'' achou por bem transformar o adjetivo
''nobre'' em substantivo e deu num prato de canibal: nobleman cuts of
against filet, ou seja, ''cortes de contrafilé de nobre''.

Maminha de alcatra é outro pedaço de carne que pode ser muito traiçoeiro se
for traduzido literalmente. Vejam só. Em português o hotel oferece:
''delicada peça de maminha grelhada''. Maminha foi traduzido, ao pé da
letra, como breast, que em inglês significa seio, mama ou peito, mas jamais
um corte de carne. Imaginem o americano ou inglês horrorizado ao constatar
que pode pedir (e comer) delicate breast pieces griled, ou seja ''delicados
pedaços de seio grelhados''.

Mais estranha ainda ficou uma picanha na ''manteiga ao café de Paris''.
Paris, a capital francesa, metamorfoseou-se no verbo ''parir'', ''dar à
luz''. A coisa ficou assim em inglês (?): butter coffe of you give birth,
algo que - tentando verter para o português - resultaria em mais ou menos
isto: ''manteiga café que você pariu''.

Já imaginaram o gringo tentando entender frutas da estação (da primavera,
verão, etc., season em inglês), traduzidas como fruits of the station, ou
seja, da ''estação'' (de trem)? Tiras finas de carne resultam em fines
ribons of meat. Ribbon em inglês é ''fita'' e não ''tira''. ''Molho de
espinafre'' passa pelo mesmo processo maluco: o molho (substantivo), sauce
em inglês, vira wet, do verbo ''molhar'' e resulta em algo que até parece
inglês: I wet of spinach. A essa altura o hóspede deve achar que se
internou num manic√īmio e vai ter certeza quando perceber que lhe est√£o
oferecendo Pitus in coconut. (Continua no próximo domingo.)


Direct link Reply with quote
 

perry  Identity Verified
Brazil
Local time: 09:56
Member (2007)
English to Portuguese
+ ...
Hil√°rio ou muito preocupante? Sep 19, 2003

√Č Maria, eu confesso que me diverti um pouco lendo as tradu√ß√Ķes apontadas no texto. Mas, por outro lado, se acreditarmos que o jornalista est√° falando s√©rio a tradu√ß√£o que ele encontrou no hotel √© duplamente preocupante. Primeiro, preocupa pensar que algu√©m absolutamente despreparado est√° ganhando a vida como tradutor (o que, ali√°s, n√≥s j√° sabemos que acontece com frequ√™ncia!); em segundo lugar, pense s√≥ na imagem que um estrangeiro pode levar de nossos h√°bitos: para muita gente no exterior o Brasil √© um pa√≠s de selvagens (acham que podem, por exemplo, encontrar on√ßas em pleno Rio de Janeiro). Agora imagine os h√≥spedes vendo registrados em card√°pio de hotel na capital do pa√≠s "nossos h√°bitos canibais"?

Direct link Reply with quote
 
rhandler  Identity Verified
Local time: 08:56
Spanish to Portuguese
+ ...
Coisa muito séria Sep 20, 2003

Dei boas risadas com a parte final do texto do Fritz Utzeri. Tradu√ß√Ķes autom√°ticas quase nunca d√£o certo, mas √†s vezes resultam em coisas muito engra√ßadas. √Äs vezes, muito raramente e s√≥ por brincadeira, opto pela p√°gina traduzida, no Google. Nunca consegui nada que pudesse ser entendido.

A primeira parte do artigo, no entanto, √© coisa muito s√©ria, um reconhecimento que poucas vezes recebem os tradutores. H√° uns vinte anos, caiu-me nas m√£os uma tradu√ß√£o de um poema de Lewis Caroll, o criador de "Alice", feita por Augusto de Campos. Era um texto bil√≠ng√ľe, de modo que foi f√°cil ver o brilhantismo do tadutor. N√£o consegui localiz√°-lo, agora, mas lembro-me que come√ßava assim: "T'was brillig", que virou "Era briluz". E por a√≠ seguia, com palavras inexistentes em ambas as l√≠nguas, mas que se correspondiam perfeitamente. De um brilhantismo indescrit√≠vel. Se ach√°-lo, vou trazer ao nosso Forum.

Obrigado por trazer-nos o artigo do Fritz Utzeri, outro craque.


Direct link Reply with quote
 
rhandler  Identity Verified
Local time: 08:56
Spanish to Portuguese
+ ...
Coisa muito séria! Sep 20, 2003

Dei boas risadas com a parte final do texto do Fritz Utzeri. Tradu√ß√Ķes autom√°ticas quase nunca d√£o certo, mas √†s vezes resultam em coisas muito engra√ßadas. √Äs vezes, muito raramente e s√≥ por brincadeira, opto pela p√°gina traduzida, no Google. Nunca consegui nada que pudesse ser entendido.

A primeira parte do artigo, no entanto, √© coisa muito s√©ria, um reconhecimento que poucas vezes recebem os tradutores. H√° uns vinte anos, caiu-me nas m√£os uma tradu√ß√£o de um poema de Lewis Caroll, o criador de "Alice", feita por Augusto de Campos. Era um texto bil√≠ng√ľe, de modo que foi f√°cil ver o brilhantismo do tadutor. N√£o consegui localiz√°-lo, agora, mas lembro-me que come√ßava assim: "T'was brillig", que virou "Era briluz". E por a√≠ seguia, com palavras inexistentes em ambas as l√≠nguas, mas que se correspondiam perfeitamente. De um brilhantismo indescrit√≠vel. Se ach√°-lo, vou trazer ao nosso Forum.

Obrigado por trazer-nos o artigo do Fritz Utzeri, outro craque.


Direct link Reply with quote
 

Ana Gomez Lopez  Identity Verified
Spain
Local time: 13:56
Spanish to Portuguese
+ ...
buenissssssima Oct 2, 2003

muito bom o artigo, √© realmente um pequeno exeplo do que milhares de vezes encontramos nos men√ļs de todo o mundo.

Direct link Reply with quote
 
Elisa D. Teixeira
United States
Local time: 07:56
English to Portuguese
+ ...
temperos indigestos Jan 10, 2006

Estava eu traduzindo meu livro de receitas, à procura de um equivalente para "maminha", quando me deparei com esse forum, de 2003. Talvez seja tarde demais para acrescentar um comentário, mas achei tão divertido o artigo que não pude resistir...
Trabalho com tradução de culinária e estou fazendo meu doutorado nesse assunto. Me lembro bem quando, há quase cinco anos atrás, entrei no então site da Cia. das Ervas (hoje totalmente reformulado) e me assustei com a tradução de alguns temperos - o mais engraçado e chocante foi o "cravo em flor e pó", que virou "blackhead flower and powder". Blagh!
Por favor, se tiverem mais artigos ou estórias como essa, por favor, me passem - são do maior interesse para a minha pesquisa.

Elisa Duarte Teixeira


Direct link Reply with quote
 

Gabriela Frazao  Identity Verified
Portugal
Local time: 12:56
Member (2002)
English to Portuguese
+ ...
Boas-vindas Jan 10, 2006

Cara Elisa,

Desejo-lhe as boas-vindas "a bordo" deste site.

Espero que aqui encontre algumas ferramentas √ļteis para o seu trabalho, e qualquer contribui√ß√£o sua ser√° certamente muito √ļtil para todos n√≥s.
Sauda√ß√Ķes
Gabriela Frazao



Elisa Teixeira wrote:

Estava eu traduzindo meu livro de receitas, à procura de um equivalente para "maminha", quando me deparei com esse forum, de 2003. Talvez seja tarde demais para acrescentar um comentário, mas achei tão divertido o artigo que não pude resistir...
Trabalho com tradução de culinária e estou fazendo meu doutorado nesse assunto. Me lembro bem quando, há quase cinco anos atrás, entrei no então site da Cia. das Ervas (hoje totalmente reformulado) e me assustei com a tradução de alguns temperos - o mais engraçado e chocante foi o "cravo em flor e pó", que virou "blackhead flower and powder". Blagh!
Por favor, se tiverem mais artigos ou estórias como essa, por favor, me passem - são do maior interesse para a minha pesquisa.

Elisa Duarte Teixeira


Direct link Reply with quote
 

Gabriela Frazao  Identity Verified
Portugal
Local time: 12:56
Member (2002)
English to Portuguese
+ ...
Preocupante Jan 10, 2006

Excelente, Maria

Além de preocupante é um espelho daquilo em que esbarramos todos os dias - infelizmente.
E ficamos a aguardar o próximo capítulo...
Obrigada por teres compartilhado a experiência connosco.

Um abraço
Gabriela


Maria Lopes wrote:

http://jbonline.terra.com.br/index_frame.asp?jb/papel/colunas/fritz/2003/09/06/jorcolfri20030906001.html

Saiu no Jornal do Brasil [07/SET/2003]

Fritz Utzeri

O card√°pio indigesto do tradutor

Tenho o maior respeito pelos tradutores. Acho muito mais difícil traduzir
do que escrever, porque traduzir bem é reescrever, recriar a partir do
zero, sem ser literal, mas permanecendo estritamente fiel à obra. Imagino o
Antonio Houaiss tendo à frente o volume, em inglês, com o início de
Ulisses: ''Sobranceiro, fornido, Buck Mulligan vinha do alto da
escada...''. Sobranceiro! Se começasse a escrever um livro, começaria com
sobranceiro? E imaginem um alem√£o que resolvesse traduzir Guimar√£es Rosa (o
que foi feito, mas ignoro o nome do herói). Abre o Grande sertão: veredas e
a primeira palavra com que se depara é: ''Nonada''. E agora? Como é
''nonada'' em alem√£o?

O Magu, que anda sumidíssimo depois que o Flor do Lavradio entrou numa
reforma que não acaba, pensou em desistir da profissão de repórter e
suicidar-se depois que teve que explicar para o editor do Montbläat, o
jornal em que trabalha, o que vinha a ser ''subteto do Poder Judici√°rio''.
Experimentem traduzir ''subteto'' numa língua racional qualquer, como o
sueco, e vejam o que é bom para a tosse.

Para mim, ser tradutor é chegar a um patamar da intelectualidade ao qual
jamais terei acesso. √Č gente como os Marcos, o Santarrita e o de Castro, o
Leo Schlafman, a Eliane Zaguri e - por que n√£o? - simplesmente o
incompar√°vel Mill√īr. Tenho uma amiga, Kristina Michaellis, que tamb√©m se
dedica a tradu√ß√Ķes. Traduziu pacientemente as cartas de meu pai √† minha m√£e
pouco antes dele morrer, na Segunda Guerra. S√£o cartas apaixonadas, mas
onde o terror do nazismo se insinua, banalmente, nas providências que ambos
discutiam para que ela pudesse tirar um atestado de pureza racial que
permitiria o casamento de ambos, j√° que ela era italiana e ele alem√£o. (N√£o
foi possível, a morte foi mais rápida do que a burocracia totalitária e
absurda.)

Tentei traduzir uma vez e n√£o fui al√©m do primeiro cap√≠tulo. √Č um livro de
um jornalista francês, Dominique Lapierre, Muito além do amor. Meu nome
figura (imerecidamente) nos créditos como tradutor com o mesmo destaque de
Ana Maria Sarda, que fez 90% do trabalho. Traduzir é difícil (e em geral
mal pago). Vejam só o que pode acontecer quando burros informáticos
resolvem achar que traduzir é mole e bolam programas de tradução
instant√Ęneos que outros, mais burros (ou sovinas) ainda, usam.

Há alguns meses fui a Brasília e hospedei-me num dos hotéis mais finos da
cidade. À noite bateu a fome e resolvi consultar o serviço de quarto.
Comecei a ler o card√°pio, cuidadosamente impresso, e fui ficando assustado.
Onde eles teriam arranjado tal tradutor maluco? Tudo era literal. O
contrafilé, em português, virou against filet. Creme Rachel, um tipo de
sopa, foi traduzido para It cremates Rachel. ''Creme'', substantivo, virou
verbo e a ordem era pegar a pobre da Raquel e metê-la num forno até virar
cinzas. Outro prato era à base de ''nobre corte de contrafilé''. O corte da
carne era nobre, mas o ''tradutor'' achou por bem transformar o adjetivo
''nobre'' em substantivo e deu num prato de canibal: nobleman cuts of
against filet, ou seja, ''cortes de contrafilé de nobre''.

Maminha de alcatra é outro pedaço de carne que pode ser muito traiçoeiro se
for traduzido literalmente. Vejam só. Em português o hotel oferece:
''delicada peça de maminha grelhada''. Maminha foi traduzido, ao pé da
letra, como breast, que em inglês significa seio, mama ou peito, mas jamais
um corte de carne. Imaginem o americano ou inglês horrorizado ao constatar
que pode pedir (e comer) delicate breast pieces griled, ou seja ''delicados
pedaços de seio grelhados''.

Mais estranha ainda ficou uma picanha na ''manteiga ao café de Paris''.
Paris, a capital francesa, metamorfoseou-se no verbo ''parir'', ''dar à
luz''. A coisa ficou assim em inglês (?): butter coffe of you give birth,
algo que - tentando verter para o português - resultaria em mais ou menos
isto: ''manteiga café que você pariu''.

Já imaginaram o gringo tentando entender frutas da estação (da primavera,
verão, etc., season em inglês), traduzidas como fruits of the station, ou
seja, da ''estação'' (de trem)? Tiras finas de carne resultam em fines
ribons of meat. Ribbon em inglês é ''fita'' e não ''tira''. ''Molho de
espinafre'' passa pelo mesmo processo maluco: o molho (substantivo), sauce
em inglês, vira wet, do verbo ''molhar'' e resulta em algo que até parece
inglês: I wet of spinach. A essa altura o hóspede deve achar que se
internou num manic√īmio e vai ter certeza quando perceber que lhe est√£o
oferecendo Pitus in coconut. (Continua no próximo domingo.)




Direct link Reply with quote
 


To report site rules violations or get help, contact a site moderator:


You can also contact site staff by submitting a support request »

O Cardápio Indigesto do Tradutor, Matéria JB

Advanced search






LSP.expert
You’re a freelance translator? LSP.expert helps you manage your daily translation jobs. It’s easy, fast and secure.

How about you start tracking translation jobs and sending invoices in minutes? You can also manage your clients and generate reports about your business activities. So you always keep a clear view on your planning, AND you get a free 30 day trial period!

More info »
PDF Translation - the Easy Way
TransPDF converts your PDFs to XLIFF ready for professional translation.

TransPDF converts your PDFs to XLIFF ready for professional translation. It also puts your translations back into the PDF to make new PDFs. Quicker and more accurate than hand-editing PDF. Includes free use of Infix PDF Editor with your translated PDFs.

More info »



Forums
  • All of ProZ.com
  • Term search
  • Jobs
  • Forums
  • Multiple search